Neste site você encontrará as últimas notícias e informações sobre o projeto “O Inventário”. Iniciativa patrocinada pelo Fundo de Apoio à Cultura, da Secretaria de Estado de Cultura do Governo do Distrito Federal, que visa à pesquisa e produção fotográfica desta série inédita do artista, que culminará na produção de um livro em paralelo à exposição individual em Brasília, além de itinerância em duas cidades e uma oficina fotográfica.

Atualmente, estamos procurando interessadas em participar do registro fotográfico. Clique abaixo para ver as condições de participação.

O conceito

Para William Flusser, existe uma diferença radical entre imagem e imagem técnica: a primeira “imagina” o mundo enquanto a segunda “imagina” textos (textos científicos que programam o aparelho que a produz) que “concebem” imagens que “imaginam” o mundo.

Fotografia de arte, diferente de fotografia jornalística ou documental ou social, não tem uma aplicação direta para interpretação de um fato ou teoria.

A liberdade conseguida pela arte ao longo da historia permitiu à fotografia contemporânea,  essa apropriação da beleza onde ela estiver.

No meu texto curatorial, o  Inventário ( um jogo de palavras que mistura o imaginário à invenção criativa ) segue uma reflexão sobre o processo de criação do fotografo.

“Neste ensaio, Okubo se aproxima e se contrapõe ao trabalho do fotógrafo norte-americano Robert Mapplethorpe, que se define por grande rigor em todos os aspectos da sua obra, criativos ou técnicos. Famoso pelos ensaios de nus masculinos ousados, Mapplethorpe caminhava para uma expressão notável, fotografando também diversas flores em closes (ângulos mais fechados) e cores, com muita poesia e delicadeza.

“O Inventário” reúne a delicadeza das flores e a ousadia dos nus, obtendo um resultado bastante poético e particular, despido de julgamento e da contextualização da cultural ocidental. A fotografia contemporânea busca este lugar ao se deslocar do objeto como referente, construindo poeticamente um universo destacado na cultura da imagem.

Grandes nomes da arte japonesa, como os de arte erótica do período Edo ( “A erótica japonesa na pintura e na escritura dos séc. XVIII a XIX de Madalena Hashimoto Cordaro – editora USP) ao cinema (Nagis Oshima, Kumashiro , celebrado pelo Le Monde em 2018), ou ainda fotógrafos como Eikoh Hosoe e Araky Nobuyoshi, tratam o corpo e a nudez sem nenhuma relação com a cultura judaico-cristã.

O xintoísmo tem raízes muito antigas nas ilhas japonesas. Sua história registrada remonta aos documentos “kojiki” e ao “nihon shoki”. Porém, os registros arqueológicos datam de um período significativamente mais antigo. O “kojiki” estabelece a família imperial como o alicerce da cultura japonesa, na condição de descendentes da grande deusa que ilumina o universo, “Amaterasu Omikame”.

Existe também uma genealogia “de criação e aparição dos deuses, de acordo com um mito da criação”. O “nihon shoki” estava mais interessado em criar um sistema estrutural de governo, política externa, hierarquia religiosa e ordem social interna.

No princípio, esta religião étnica não tinha nome, mas quando se introduziu o budismo no Japão, durante o século VI, um dos nomes que este recebeu foi “Butsudo”, que significa “o caminho do Buda”. Assim, a fim de diferenciar do budismo, a religião nativa passou a ser chamada “xinto” (shinto), palavra de origem chinesa que combina dois caracteres chineses – “shin”, significando deuses ou espíritos (quando lido sozinho é pronunciado “kami”) e “”, que significa caminho filosófico. Assim, xintoísmo significa “o caminho dos deuses”.

Assim, pode-se afirmar que o trabalho artístico do fotógrafo Kazuo Okubo tem uma forte raiz oriental, onde o nu tem outro significado e relação com a vida privada e a vida pública. A complexidade e originalidade reside justamente na aparente simplicidade das fotografias. Sua expressão gráfica, subtrai elementos que muitos considerariam indispensáveis, resultando em imagens singulares da delicadeza ingênua, da nudez simples do corpo de uma mulher, vista como obra de arte”.

Rosely Nakagawa

Kazuo Okubo

Nascido em Brasília (1959), é fotógrafo e produtor cultural. Iniciou como assistente de seu pai, Arlindo Okubo, em 1974, e fotografa publicidade desde 1989. Desenvolve trabalhos autorais desde 2003. Em 2009 inaugurou em Brasília a primeira galeria de arte dedicada exclusivamente a fotografia no Centro-Oeste, A Casa da Luz Vermelha. Exposições (seleção):

  • Paisagens, 2004 – Foto Arte Brasília (individual);
  • De Todas as Formas, 2007 – Caixa Cultural, em Brasília (individual);
  • O Colecionador de Paisagens, 2009 – A Casa da Luz Vermelha, em Brasília (individual);
  • 11 Photographes Brésiliens, 2009 – Galerie d’Art François Mansart, em Paris (coletiva);
  • Eu Te amo, 2011 – Brasília Shopping (individual);
  • Designer for Lovers, 2012 – Armazém da Decoração, em Goiânia (individual);
  • West Encounter East, Art America’s, 2012 – Miami (coletiva);
  • SP Arte Foto, 2013 – Shopping Iguatemi JK (coletiva);
  • SP Arte, 2014 – Pavilhão da Bienal, SP (coletiva);
  • SP Arte Brasília, 2014 (coletiva);
  • Brazilian Eyes, 2015 – Bailey Contemporary Arts, Miami (coletiva);
  • Prêmio mObgraphia, 2015 – MIS (Museu da Imagem e do Som) (coletiva);
  • Onde Anda a Onda I e II, 2015 e 2016 – Museu Nacional da República (coletiva);
  • Brasília: Patrimônio Fotográfico, 2017 – Universidade CEUB Taguatinga (coletiva);
  • Mostra Tiradentes, 2017 (individual).

Rosely Nakagawa

Nasceu em São Paulo (1954), onde vive e trabalha. É graduada em Arquitetura pela FAUUSP em 1977. Fez especialização em Museologia pela USP em 1978/80 e em Comunicação e Semiótica pela PUC_SP em 2005.

Atividade Profissionais e Culturais

Curadora e gestora Cultural do Armazém Cultural 11 Santos SP desde 2015

Coordenadora de projetos de fotografia FUJIFILM 2013

Curadora da FNAC Brasil desde 2004

Curadora da Casa da Fotografia FUJI 1994 a 2013

Curadora e Festival de mídia eletrônica VideoBrasil 1982 a 2002

Curadora do Espaço SENAC Escola de Comunicações e Artes 1994 a 1998

Curadora e Coordenadora Geral de Projetos do Núcleo Amigos da Fotografia NAFOTO de 1990 a 1997 , no qual realizou o I , II e III Mês Internacional de Fotografia e Seminário Internacional da Fotografia ( 93,95,97 respectivamente )

Curadora do Espaço Cultural CITIBANK de 1987 a 1991

Curadora e Coordenadora da galeria FOTOPTICA 1979/1986

Conselho de Museus e Instituições Culturais

Membro da Rede Nacional de Produtores de Fotografia RNPF.

Membro do Conselho do Paraty em Foco.

Membro do Conselho do Instituto Choque Cultural SP.

Membro do Conselho Curador do Centro Cultural Memorial da Cultura Cearense CE

Membro do Conselho da Associação Cultural Videobrasil SP

Organização de exposições recentes- curadoria independente

2018_Tarefas Infinitas – quando a arte e o livro se ilimitam_ Co Curadoria com Paulo Pires do Vale e Beatriz Matuck SESC CPF

2014/2017_Curadora das Exposições da Escola Panamericana de Arte

2016/2017_ Marcelo Greco, Helena Rios, Flavia Tojal , Pierre Devin _ Correspondencias

Armazém Cultural 11 Santos

2016_ Carlos Moreira Os dias Lindos Armazém Cultural 11 Santos

2015 _ Marcos Piffer – Armazém Cultural 11 Santos

2015 –_Retrato Popular , coletiva de fotografia vernacular_SESC Belenzinho

2015/2016_ Rubens Matuck , Tudo é semente_ Ediçoes SESC

2014_Habitants Marco Alves – edição do autor

2013_ Carlos Moreira – São Paulo, Publicação e mostra no SESC Bom Retiro

Carlos Moreira São Paulo – 50 anos do fotografo no SESC Bom Retiro, janeiro 2014

OPARA_ Onde nasce o São Francisco – Exposição Marco Antonio Robert Alves Galeria FASS 2013 e MON Curitiba Museu Oscar Niemeyer janeiro 2014

Paisagem Interior – Fotopinturas de Julio Santos – Pinacoteca do Estado de São Paulo 2012

Extremes – Europalia BOSAR Bruxelas- 2012

Paraisópolis – Uma cidade dentro da outra – SESC Pompéia SP 2011

Luis Humberto – fotógrafo – Retrospectiva do fotografo no espaço da Caixa Cultural São Paulo 2010.

30 anos de Fotografia” – coleção particular Rosely Nakagawa nos espaços da Caixa Cultural Curitiba, São Paulo, Brasília e Salvador. De abril de 2009 a janeiro de 2010

Exposição “FINDERS” – Nagoya/Japão janeiro 2009

Ecos do Planeta – Amazônia” – Bienal de São Paulo agosto 2008

Vivian Lembo – “Do Outro Lado” –Pinacoteca do Estado março 2007

Fotografia Brasileira” no Festival de Arles / França julho 2006

Retratos Pintados” – Pinacoteca do Estado de SP – setembro 2004

Thomaz Farkas” – Fotografias e Lembranças – Instituto Moreira Salles / Rio de Janeiro – junho 2002 e Centro Cultural Mariantonia USP –abril 2002

Wind Caravan” – Instituto Itau Cultural e Memorial Dragão do Mar/ Fortaleza Ceará – novembro 2001.

Brasil 50 MIL – Acervo do MAE-USP” –STJ Brasília setembro de 2001 a março de 2002

Mar de Luz” – Lançamento e exposição- Memorial Dragão do Mar/ Fortaleza Ceará – março 2001

BENDITOS” – abertura do Mês Internacional da Fotografia no SESC Pompéia – Abril 2001

LUZ e COR” – oficina pedagógica – Itaú Cultural – abril 2001

Luiz Braga” – ISPA Lisboa – Portugal / novembro 2000

Leonardo Crescenti” – Galeria Val de Almeida Junior / agosto 2000

Oficinas Artesãos Populares” Ivaldo Bertazzo – SESC Belenzinho / agosto 2000

Atelie do Artista” – Instituto Itau Cultural / junho de 2000

Fabrizio Plessi” – Guggenheim SOHO NY / junho 1998

Paixão pelo Futebol” – Centre Regionel de la Photographie – Nord Pas de Calais França / julho 1998

Depósito dell´Arte” – Fabrizzio Plessi / Guggenheim SOHO e SESC setembro 1998

Baile na Roça – um balé para Portinari – Teatro Municipal / outubro 1998

Retrospectiva “Candido Portinari” / MASP / novembro 1997

Cristiano Mascaro – “Luzes da Cidade” / Buenos Aires / Agosto 1997

Luiz Gonzalez Palma” – Funarte Rio de Janeiro / agosto 1997

Thomaz Farkas , fotógrafo” – MASP / SP maio 1997

O Simbólico e o Diabólico” 50 anos da PUC/SESC – PUC. TUCA SP / setembro 1996

Curadora da mostra Fotografia Brasileira do III Colóquio Latino Americano de- Fotografia -México 1996

Coletiva Brasileira de Retratos”- Mês Internacional da Fotografia – FAAP / 1995

ARAWETÉ – Povo Tupi da Amazônia – Centro Cultural São Paulo / 1992

O Semi Árido – Anna Mariani – MAC USP 1992 – Fortaleza Ceará 1992

Brazil Projects” coletiva de Arte Brasileira realizada no P.S 1 – Long Island NY 1987

Pinturas e Platibandas”- fotografias de Anna Mariani 19. Bienal Internacional de São Paulo, Centro Georges Pompidou – Paris/França 1987-1988

Edição de livros

Editora e autora do livro: Rubens Matuck Tudo é Semente – Edições SESC 2014/2018

Editou as imagens dos livros :

Habitants – Marco Antonio Robert Alves 2016

Edu Mello Fotografias 2015

São Paulo – Carlos Moreira – 2013 ( em processo de finalização )

OPARA_Onde nasce o São Francisco – 2013 fotografias da Serra da Canastra de Marco Antonio Robert Alves

CUBA_ Du Ribeiro 2013

Paraisópolis – Renata Castello Branco – 2012

Retrato Interior – Julio Santos 2011

Luis Humberto – 2010

Julio Santos – mestre da Fotopintura – 2010

Salete Goldfinger – 2009

Carlos Moreira – 2009

Caderno de Viagem – Rubens Matuck -2005

Thomaz Farkas – Pacaembu – 2006

Thomaz Farkas – Viagens pelo Brasil – 2005

Thomaz Farkas Fotografo – 1998

Entre outras publicações.

Festivais

Colaboradora do Festival Paraty em Foco desde 2000

Colaboradora do Foto em Pauta Tiradentes desde 2010

Participante do FOTOPOA Porto Alegre RS; FOTOFEST _ Houston / Texas, USA; Fotoseptiembre DF/Mexico; Festival Arles; Arles França Festival CDF Montevideo/ Uruguai .

Participe!

Estamos iniciando a primeira fase do projeto, que está aberto para participação de todas as mulheres interessadas, sejam elas cis ou que tenham passado por cirurgia de redesignação de gênero.

Após o registro do interesse (no formulário abaixo), o artista entrará em contato com cada interessada e explicará como será a condução do ensaio. Posteriormente, será agendado um horário em estúdio fotográfico em Brasília, onde estarão presentes o artista e sua equipe (composta por até duas pessoas) e quem a voluntária permitir. Nesta ocasião, também será formalizado o contrato de licença de uso de imagem entre a voluntária e o artista, cuja minuta do objeto e cláusulas estão disponíveis abaixo.

ATUALIZAÇÕES

18/01/2019 – Participantes de outros estados são bem-vindas, no entanto, as despesas de locomoção serão de responsabilidade da voluntária.

29/01/2019 -À todas voluntárias que participarem dos ensaios estão garantidas as seguintes contrapartidas por parte do fotógrafo:

  1. Um catálogo da exposição;
  2. Uma foto impressa em papel fine-art, no tamanho 30x40 cm. Serão oferecidas duas opções: (a) A respectiva foto da participante no do projeto “O Inventário”, ou; (b) Uma foto a ser escolhida a partir de um mini-ensaio a ser realizado no dia da sessão fotográfica. Esta foto poderá ser um retrato de corpo ou rosto, ficando à critério da voluntária estar vestida ou não.

Caso a voluntária aceite a contrapartida da fotografia realizada no mini-ensaio, conforme especificado no item 2(b), o fotógrafo fica impedido de utilizá-las no contexto deste projeto, em portfólio pessoal, profissional ou quaisquer outros meios.

Estas condições estarão relacionadas em aditivo a ser assinado entre as partes.

Contrato

OBJETO: O objeto do presente contrato é a utilização, fruição e exploração pelo LICENCIADO da imagem da MODELO LICENCIANTE em fotos de cunho artístico a serem produzidas, editadas e publicadas pelo LICENCIADO. Entende-se por licença de uso de imagem, concedida pela MODELO LICENCIANTE ao LICENCIADO, a utilização por estas imagens referentes a produção de fotos artísticas do ensaio denominado “O Inventário, por Kazuo Okubo”, que poderão ser utilizadas em exposições fotográficas, vendas em galerias de arte, em mídias impressas (calendários, revistas, jornais, livros, etc), em mídias eletrônicas (sites, redes sociais, televisão, filmes, DVD, CD-ROM, Internet, etc), em que promovam o projeto e/ou o artista, em outros meios, em território nacional ou exterior.

LICENCIAMENTO: Pelo presente instrumento, a MODELO LICENCIANTE cede gratuitamente de forma irrenunciável e irretratável, por prazo indeterminado, o uso de sua imagem para a utilização em fotos artísticas.

A MODELO LICENCIANTE autoriza o LICENCIADO a utilizar a sua imagem de forma anônima, em qualquer obra, inclusive as literárias, publicitárias, artísticas, científicas, audiovisuais, programas de computador, internet, redes sociais, dentre outras.

o LICENCIADO poderá, a critério próprio, sem limite de tempo, comercializar para terceiros o material fotográfico que tenha sido produzido com a imagem da MODELO LICENCIANTE, para a utilização em qualquer tipo de mídia impressa, eletrônica, televisiva e outras.

o LICENCIADO fica autorizada pela MODELO LICENCIANTE a executar livremente produção das fotos artísticas, podendo realizar cortes, edições e reproduções que julgar necessários, desde que não sejam prejudiciais à imagem da MODELO LICENCIANTE e que sejam utilizados exclusivamente de conformidade com os fins estabelecidos neste contrato.

VALOR DA LICENÇA DE USO DE IMAGEM: A licença de uso da imagem da MODELO LICENCIANTE para o LICENCIADO é gratuita, não gerando nenhum ônus para este ou para os envolvidos no ensaio denominado no objeto do contrato.

PRAZO: O presente contrato tem prazo indeterminado.

Termo de acordo

9 + 1 =

Contato

14 + 4 =

Informações para imprensa

Agenda KB Comunicação
Contato: Luiz Alberto Osório
E-mail: luiz.alberto@agendakb.com.br
Telefones: (61) 3344-0143 / (61) 98116-4833
Skype: luiz.alberto.osorio

Este projeto é realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal.